Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
29.01.2019 • Economia

Empresários estão otimistas e vão investir mais em 2019

comercio_29_01

Campo Grande (MS) – Um levantamento divulgado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), revela que o índice de confiança dos micro e pequenos empresários dispostos a investir mais no negócio próprio aumentou de 35% para 41%, relativo ao ano de 2019. 

Em Campo Grande, a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), também participou da pesquisa e a expectativa de crescimento para este ano é de 65% por parte dos microempresários campo-grandenses, enquanto 27% acreditam que o cenário se manterá e 8% dos entrevistados afirmaram que a tendência é diminuirem as chances de investimentos. 

Quanto a pergunta se pretendem investir no negócio próprio em 2019, 70% dos comerciantes disseram que sim (devem investir), 12% informou que não e 18% respondeu que ainda não sabe.

Comparativo 

Entre os 70%  dos entrevistados que responderam sim, 28% pretende investir no mínimo 50% mais que 2018. Já 60% pretende investir no mínimo 30% a mais que 2018; e 8% pretende investir no mínimo 20% a mais que no ano passado. E, 4% não sabem o quanto vão investir. 

Foi solicitado aos entrevistados que apontassem três dificuldades encontradas para empreender em Campo Grande. Entre as cinco mais votadas estão: impostos (30%); 28% dificuldades na contratação de mão de obra qualificada (%); custo dos serviços públicos -  água/luz /transporte (2%); insegurança pública (20%) e concorrência desleal (15%). 

Para o presidente da CDL CG, Adelaido Vila, a pesquisa chega como uma boa notícia para o setor. 

“Quando temos empresários dispostos a investir é certeza de teremos mais geração de emprego e renda. Com isso, a economia se movimenta. Mais pessoas empregadas significa mais consumidores, significa quitação de dívidas e restabelecimento de créditos. O que é extremamente positivo para os lojistas de uma forma geral”, observa. 

A pesquisa foi realizada no período entre 20 e 25 de janeiro de 2019, sendo entrevistadas 350 microempresas.