Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
29.01.2019 • Economia

Reforma da Previdência: servidores querem diálogo

previdencia_29_01

Campo Grande (MS) – As carreiras de Estado que se reuniram com o futuro líder do governo na Câmara, major Victor Hugo (GO), aguardam com ansiedade o projeto de reforma da Previdência que a equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro apresentará ao Congresso. Eles não mudaram o discurso. Fazem duras críticas à Proposta de Emenda à Constituição (PEC 287/16) e denunciam graves erros da antiga gestão em dados estatísticos fundamentais das projeções atuariais – que desprezaram bilhões de reais nas receitas previdenciárias. 

Em conversa, ao vivo, pelas redes sociais, Rudinei Marques, presidente do Fórum Nacional das Carreiras de Estado (Fonacate), e Bráulio Santiago, secretário-executivo do Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle (Unacon Sindical), apontam as divergências entre o que o governo divulga para a sociedade e as premissas usadas nas estimativas da reforma. No encontro com o major, os servidores entregaram uma nota técnica comprovando que o modelo do governo “aumenta artificialmente as despesas”. 

“A partir de 2022, observa-se que o crescimento real do salário mínimo é maior do que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do pais) previsto pelo modelo. Esse é um dos motivos pelos quais os gastos previdenciários, medidos em percentagem do PIB, sobem no longo prazo, indo de 8,26% do PIB em 2017 para 17,2% em 2060”, destaca o documento. 

Clique aqui e conheça o argumento dos servidores.