Rua Aporé, 19 - Bairro Amambai - CEP 79005-360 - Campo Grande-MS (67) 3325-6640
08.05.2019 • Economia

Governadores reclamam de ritmo da agenda federativa

bolso_carolina_antunes

Campo Grande (MS) – A reunião do presidente Jair Bolsonaro com governadores e os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, foi marcada por reclamações sobre o ritmo de atendimento das demandas das Unidades da Federação. 

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, prometeu que o governo federal vai responder as demandas em 1 prazo de 7 dias. Na reunião, os governadores entregaram uma carta com 6 solicitações a Bolsonaro. 

“Estou saindo daqui agora então uma semana elas vão construir os posicionamentos de cada área do governo  para que então saibam que atitude tomar e que áreas vão ter que dar mais atenção, menos atenção”, disse o chefe da Casa Civil. 

Leia a íntegra da carta e os tópicos das demandas: 

Plano Mansueto;

Lei Kandir;

Reestruturação do Fundeb;

Securitização da dívida dos Estados;

Cessão onerosa dos Estados;

PEC redistribuição do fundo de participação dos Estados.

O governador Flávio Dino (PC do B-MA) classificou como “chantagem” o condicionamento do governo federal da reforma da Previdência ser aprovada para fornecer socorro financeiro aos Estados. 

“Não é possível haver esse tipo de atuação dos governadores enquanto em 1º lugar temas absurdamente antissociais permanecerem na proposta [da Previdência]. Em 2º lugar tanto o governo federal quanto a presidência da Câmara e do Senado não derem passos concretos em direção a agenda federativa”, declarou. 

Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo, também reclamou do ritmo do governo quanto à agenda federativa: 

“O governo não sinalizou com nenhum dos pontos, a não ser o plano Mansueto, pela imprensa. Aqui hoje o presidente Bolsonaro não disse claramente sobre esse ponto, fez uma fala mais genérica da situação do governo federal e que precisa ter recurso e para ter recurso precisa da reforma da Previdência”.